quinta-feira, 21 de junho de 2018

Empresário suspeito de encomendar morte do sogro tem habeas corpus negado

Postado por Noticiando PB  | 

O empresário Tony Almeida, acusado de encomendar a morte de seu sogro, o empresário Arnóbio Ferreira Nunes, teve o pedido de substituição de prisão temporária por prisão domiciliar negado. A defesa do empresário alegou que ele possui quadro de saúde debilitado e precisaria de acompanhamento.
O relator do habeas corpus, desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, considerou que o pedido feito não possuía um dos requisitos para a concessão da medida cautelar, a ‘fumaça do bom direito’, em virtude de supressão de instância na apreciação dos documentos médicos acostados aos autos.
A defesa alegou que o paciente enfrenta um quadro pós-operatório de cirurgia bariátrica, necessitando de todo acompanhamento médico-nutricional e multidisciplinar, com observância de rigidez de horários, de suplementações alimentares e utilização de remédios, conforme documentos médicos acostados aos autos. Por este motivo, requereu a substituição da prisão temporária por prisão domiciliar, com autorização de saída para atendimentos médicos que se fizerem necessários, com a devida informação ao Juízo.
A defesa sustentou ainda que há existência de risco à integridade física, à saúde, e, até mesmo, à vida do paciente, já que as necessidades clínicas do réu demandam um acompanhamento médico incompatível com o prestado no sistema penitenciário local. Ressaltou, ainda, que, ele está recolhido deste 7 de junho, e, desde então, ainda não houve a oitiva perante a autoridade policial.
No mérito, pleiteou revogação da prisão temporária, sob o argumento de inexistência dos requisitos autorizadores do cárcere. Caso mantido o cárcere, foi solicitada a transferência do investigado para o 5º Batalhão da Polícia Militar, visto que o local dispõe de atendimento ambulatorial em caso de emergência.
Ao apreciar o pedido, o relator do processo afirmou que não estão presentes um dos pedidos autorizadores da medida cautelar e que a ‘fumaça do bom direito’, necessária para concessão da medida, não está consubstanciada. O desembargador Márcio Murilo explicou que os documentos que comprovam a submissão do paciente a um procedimento médico complexo (cirurgia bariátrica) não foram objeto de apreciação pelo juiz de primeiro grau, durante a audiência de custódia, o que revela ‘indevida supressão de instância a análise do pleito’.
“Num juízo preambular, próprio deste momento processual, entendo que, diante da eventual supressão de instância, a matéria em questão, nos termos dos documentos apresentados pela defesa para apreciação, diretamente, por este órgão colegiado, restará, possivelmente, não conhecida”, argumentou.
O caso – Arnóbio Ferreira Nunes tinha 77 anos e era engenheiro e sócio de uma construtora. Conforme investigações policiais, a suspeita é de que o homicídio tenha sido encomendado pelo seu genro Cícero Antônio da Cruz Almeida, pelo valor de R$ 120 mil. A prisão do suspeito fez parte da fase Epílogo da Operação Expurgo.
clickpb

Autor

Noticiando PB

Total de visualizações de página

Subscribe to our Mailing List

We'll never share your Email address.
Copyright © 2013 Noticiando PB. Powered by Blogger.
Blogger Template by Bloggertheme9
(83) 9 9618-4861 noticiandopb1@gmail.com