domingo, 10 de fevereiro de 2019

Caso Guilherme completa 1 ano; polícia continua sem respostas sobre morte da criança

Postado por Noticiando PB  | 

Há exatamente um ano a vida de Valdenice Marinho, dona de casa que hoje trabalha com reciclagem, começava a tomar outros rumos. No dia 10 de fevereiro de 2018, seu filho Guilherme, de apenas 7 anos, desapareceu quando brincava com amigos na comunidade do Taipa, bairro do Costa e Silva, periferia de João Pessoa.
Foram cinco longos meses sem nenhuma resposta sobre o paradeiro do garoto, sem a família saber o que poderia ter acontecido, se ele estaria vivo ou não. Até que, na metade do mês de julho, foi encontrada em uma mata da região de Gramame, também na capital paraibana, a ossada de uma criança enterrada em uma cova rasa. Posteriormente, a perícia confirmou que os restos mortais eram, de fato, de Guilherme.
Na época, a Polícia Civil constatou que o menino foi assassinado e que teve traumatismo craniano na região frontal da cabeça. Desde então, porém, nenhum suspeito de ter cometido o crime foi encontrado, o que deixa Valdenice e toda a família ainda com sentimento de justiça.
“Estamos sem resposta pra esse caso né? Continua aí a solta esse assassino de Guilherme, que ninguém sabe quem é. Mas eu tenho fé em Deus que tá parado pela Justiça, mas por Deus não está não, porque eu sei que Deus vai revelar quem é essa pessoa. A pessoa cometer um crime com uma criança, é um monstro”, diz ela, em visita de nossa equipe à sua casa.
Na pequena residência, há dois quadros de Guilherme pregados na parede, sendo um deles com a frase “A tua presença continuará sempre no meio de nós, e nem o tempo fará esquecer você”. Segundo a mãe do garoto e de outros cinco filhos com idades entre 6 e 18 anos, todos os detalhes fazem lembrar dele.
“Eu olho para um lado, olho para outro, não vejo meu filho, só foto. As coisas dele estão aqui ainda. Só nos restam saudades, e o que eu peço é só justiça, porque Guilherme era minha vida. Só de pensar que ele pediu pra brincar e aquele foi o último momento que eu tive com ele… se eu adivinhasse não tinha deixado nem ele sair daquele portão. É revoltante, doloroso”.
Valdenice ainda guarda com carinho tudo relacionado ao segundo filho mais novo. Ela nos mostra uma gaveta cheia de roupas de Guilherme, onde fica “a camisa que ele mais gostava” e outra “que ele usou no ano novo”. Ao mesmo tempo, Kauan, de 11, e Maria Letícia, de 6 anos, deixam, timidamente, cair lágrimas ao lembrarem do irmão.
“É difícil, os meninos ficam chorando no canto quando veem uma roupa dele, quando veem as fotos. Um desenho que passa na televisão que ele gostava. Alguma coisa que lembra ele, os meninos começam logo a chorar”, conta a mãe, emocionada.
Quando perguntada sobre as últimas respostas que obteve da polícia a respeito da investigação do caso, ela diz que há algum tempo não recebe nenhuma atualização. Segundo a dona de casa, não se tem notícias de suspeitos, e não valeria a pena se deslocar até a Central de Polícia Civil da cidade, no bairro do Geisel, para ter informações. A viagem comprometeria o curto orçamento da família, já que, de acordo com ela, tem dias em que não há nem comida o suficiente para todos, por exemplo.
“A última vez que eu tive na delegacia o delegado disse que tava esperando um inquérito do fórum chegar para continuar as investigações, e até agora nada. A sensação é como se nada tivesse acontecido. Para eles nada aconteceu, quem fica com a dor sou eu. Fica como se meu filho e esse caso não tivessem existido”.
Valdenice também explica que mesmo após mais de seis meses do sepultamento de Guilheme, ela ainda não recebeu a certidão de óbito do garoto. Já o pai da criança está preso por tráfico de drogas, mas deve deixar a cadeia em breve e retornar para casa. Ele pode contribuir com o desenrolar do caso ao prestar depoimento à polícia.
A morte de Guilherme ficou a cargo da Delegacia de Homicídios de João Pessoa, que estava sob o comando do delegado Reinaldo Nóbrega na época do crime. A Polícia Civil realizou mudanças e o inquérito passou para as mãos do agora titular da delegacia, Hugo Hélder.
Segundo ele esclareceu à nossa equipe, a investigação não foi encerrada, e há novidades sobre o assunto.
“Nós continuamos nas diligências, e inclusive temos duas delas em andamento no inquérito, justamente continuando as investigações. É um inquérito bastante complexo, tendo em vista que a criança passou um longo tempo desaparecida. Ela foi localizada recentemente, somente em termos de ossada. É um inquérito que não teve um local de crime, então ficaram muitas perguntas em aberto”, destaca.
O delegado ainda informa que o processo é difícil porque não conta com muitas informações por parte da família, especificamente de dona Valdenice, que não tem tantos dados a fornecer. Por isso, a Polícia Civil passou a buscar outras formas de investigação.
“Eu acredito muito que vamos encontrar quem fez isso com a criança. Nós temos equipes boas e pessoas que estão constantemente trabalhando e confrontando dados de outros homicídios. Então é comum em confronto de dados, de pessoas presas, a gente ter fatos novos que possamos colocar no inquérito. Se Deus quiser nós vamos conseguir colocar os autores dentro do presídio”, completa.


PortalT5

Autor

Noticiando PB

Total de visualizações de página

Subscribe to our Mailing List

We'll never share your Email address.
Copyright © 2013 Noticiando PB. Powered by Blogger.
Blogger Template by Bloggertheme9
(83) 9 9618-4861 noticiandopb1@gmail.com